Contacte-me
Email: Este endereço de email está protegido contra spam bots, pelo que o Javascript terá de estar activado para poder visualizar o endereço de email Telemóvel: +351 915 244 747
Livros & eBooks
"Era uma Vez um Hambúrguer"
Receitas saudáveis, destinadas a criar momentos de magia entre as mães e os filhos.
Ler Entrevista
"Pela sua Saúde!"
Um guia com alimentos crus para rejuvenescer e emagrecer. Reflexões e sugestões.
Ler Entrevista
"Ho'oponopono"
O que é o "Ho'oponopono"? Aprenda este mantra e os seus principios através deste eBook.
Fazer Download
"Limite Zero"
Como purificar pensamentos e ações negativas, deixando a mente livre para que a Lei da Atração possa conspirar a favor do ser humano.
Fazer Download
Reeducação Alimentar
02 / 09 / 2007

Reeducar significa educar de novo e isto é algo que a maioria das pessoas precisa de fazer em relação aos seus padrões alimentares.

ImageÉ urgente reeducar o paladar, a visão, o olfacto, as escolhas alimentares, mas antes precisamos de reeducar a mente, pois é ela que condiciona as nossas escolhas. Podemos dizer que temos determinados hábitos, porque assim nos educaram e como tal estamos ilibados da responsabilidade. O cozido à portuguesa é um prato tradicional muito apreciado, mas não é nada saudável e não podemos deixar de questionar os benefícios para a nossa saúde, só porque faz parte da tradição gastronómica.


É um facto que todos os seres humanos recebem através das mães, avós ou outras pessoas responsáveis os hábitos e tradições de uma determinada cultura e neste caso o regime alimentar é o mais enraizado e facilmente aceite de modo inquestionável. Mas também é um facto que somos seres pensantes, altamente inteligentes e perfeitamente capazes de investigar o que é melhor para a saúde além da tradição. Regra geral os hábitos alimentares são um dado adquirido e poucos são os que se questionam. Por exemplo, uma das formas correctas e mais saudáveis de comer a fruta é antes da refeição e nunca depois. Desta forma assimilámos em primeiro lugar as vitaminas, minerais e enzimas, pois é o primeiro alimento a entrar no estômago. Se a fruta for comida no final das refeições fica a fermentar durante algumas horas. Por vezes as pessoas dizem "não importa a ordem, isto mistura-se tudo lá dentro". Pois, acontece que o estômago não funciona como uma batedeira. A digestão vai-se processando por camadas de acordo com a ingestão dos alimentos, por isso é muito importante comer primeiro fruta ou salada (nunca as duas ao mesmo tempo). Quando aconselho este procedimento nas consultas, os pacientes por vezes dizem-me que estão habituados. É apenas uma simples questão de alterar um pequeno hábito que é mais benéfico. O único impedimento está na mente! Um outro exemplo: uma vez recomendei a uma senhora que não comesse carne durante e apenas 15 dias, ao que retorquiu com grande preocupação "então vou comer o que?" Apesar de ter uma alimentação variada naquele momento a mente bloqueou e centrou-se apenas na carne como se não comesse qualquer outro alimento.

Implícito está o conceito de que precisámos de carne para viver! Esta semana foi transmitido no noticiário da noite da RTP 1, a notícia de um homem indiano vegetariano que moveu um comboio de várias toneladas, alguns centímetros, puxando-o com os dentes! Ainda há quem diga que os vegetarianos são fracos! Na realidade a maioria dos atletas de alta competição de várias modalidades, são vegetarianos e o nível de força e resistência deles é muito elevado. Portanto não se mudam padrões alimentares incorrectos, sem mudar padrões e atitudes mentais.

ImageConheço pessoas que preferem tomar fármacos do que mudar hábitos alimentares, que lhes trariam melhor qualidade de vida, mais saúde e até mais dinheiro (pelo que poupariam nos gastos com as doenças).

O ser humano é muito contraditório. Quer ser feliz, quer ter saúde, ouvimos constantemente "O mais importante é ter saúde para poder trabalhar e levar a vida para a frente e tudo se há-de resolver. A pior desgraça é não ter saúde". Cada vez proliferam mais as doenças causadas por maus hábitos alimentares (e neste artigo são apenas estas a que me refiro): obesidade, diabetes, vários tipos de cancro, colesterol elevado e consequentes problemas cardiovasculares, etc. Estas estão ao nosso alcance controlar pela escolha do que comemos. E então? Queremos saúde, mas não fazemos nada para a manter. "Esta vida são 2 dias, há que aproveitar a comer e a beber." Será? Pois, pois... ficamos doentes, vamos para o médico, tomámos medicamentos, fazemos exames e alguns até muito dolorosos, gastámos muito dinheiro, perdemos dias de trabalho e sobretudo perdemos a alegria e a tranquilidade. Sofre o individuo e sofre a família! Lá diz o ditado "pela boca morre o peixe". Mas... nós somos mais inteligentes que o peixe para discernir o isco da publicidade e dos interesses da indústria alimentar, ou não? Os exemplos são muitos.

Vejamos: será que acreditamos que a fruta reduzida a puré, embalada e conservada no frigorífico é mais benéfica do que uma peça de fruta fresca? É mais prático? Até pode ser, mas não tem os mesmos nutrientes e benefícios e além disso é mais cara. É apenas um conceito "saudável de fast-food" com outra variante.

Precisamos de reeducar a mente, analisar, investigar, reflectir. É a nossa saúde que está em jogo, a vida de cada individuo e de cada família. Assim é que se faz prevenção, ao escolher uma alimentação saudável, fazer exercício, ter pensamentos positivos. As rotinas dos check-ups e dos exames anuais, não fazem nenhuma prevenção, apenas um diagnóstico precoce. A colondoscopia não previne nenhum cancro no intestino, apenas o pode detectar numa fase inicial e assim salvar a vida. Mas para evitar, é preciso comer frutas, legumes, fibras, cereais integrais, beber água. A prevenção está nas nossas mãos, É A NOSSA RESPONSABILIDADE INDIVIDUAL. Detectar e tratar é responsabilidade dos profissionais de saúde.

É interessante salientar que no Oriente o foco está na prevenção. Por exemplo, durante milhares de anos na China, o médico era pago para manter as pessoas saudáveis. Qualquer médico que perdesse mais de 3 pacientes sem ser de morte natural por envelhecimento ou acidente, perderia a sua licença para exercer medicina. É interessante o contraste com a sociedade actual, em que todo o negócio gira á volta da doença. Em conclusão: a prevenção da doença através de hábitos saudáveis e positivos, a nível físico, mental e emocional, contribuem para vários factores:

  • Melhor qualidade de vida
  • Bem estar e tranquilidade
  • Alegria do individuo e da família
  • Capacidade de trabalhar
  • Aumento de rendimento económico (ao poupar nas despesas com a doença, exames, medicamentos, baixa médica)
  • Em consequência, para o próprio país isto traduz-se numa melhoria económica, porque ao termos menos baixas médicas, há menos custos com as doenças e maior rendimento das empresas
  • Consequentemente, verificar-se-á uma quebra dos lucros nas indústrias farmacêuticas, mas penso que seja um mal menor comparado com todos os benefícios acima mencionados.

Como podemos ver os hábitos alimentares têm uma repercussão muito grande tanto pelo lado negativo como positivo, desde o nível individual ao global. Pelo bem da nossa saúde, da nossa vida, do nosso país e do nosso planeta está na hora de reeducar a nossa mente para novos hábitos.

Bem Hajam e Sejam Felizes e saudáveis.

 
< Artigo anterior   Artigo seguinte >